Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Umuarama
2ª via de boleto | COB online | SPC Brasil | NF-e

DIREITOS

Banco de Horas é alternativa para compensar trabalho aos sábados

Em encontro promovido na Aciu, Procurador Federal instrui empresários sobre abertura do comércio


legenda
Dr. André Vinicius Melatti, representante do Ministério Público do Trabalho, fala a empresários no auditório da Aciu

O Procurador Federal do Trabalho, André Vinicius Melatti, participou de bate-papo com empresários na Aciu (Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Umuarama) na manhã desta quinta-feira (11). Ele abordou o tema “Convenção Coletiva de Trabalho e Funcionamento do Comércio em Umuarama”. Dentre outros assuntos, o representante do Ministério Público do Trabalho falou sobre a compensação de horas por meio do Banco de Horas.

Mellati destacou que a lei é clara: o limite de horas de trabalho no Brasil é de 8 horas por dia e 44 horas por semana, podendo o empregado fazer duas horas extras por dia. “E com a chance de as empresas do comércio de Umuarama poderem abrir em horário especial dois sábados por mês, os empresários estão se deparando com um problema, que é a possibilidade de fazer exceder o limite da jornada de trabalho de seus empregados. Uma alternativa é a criação de Banco de Horas”, disse o promotor.

Ele lamentou que os sindicatos que representam patrões e empregados do comércio não tenham chegado a um acordo com relação à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) desde 2017. “A falta da Convenção traz problemas a todos. Somente com ela pode-se evitar o descumprimento generalizado das leis trabalhistas e por meio CCT é que são estabelecidas as regras de horário de trabalho, por exemplo”, comentou.


O representante do MPT relatou que já havia tentado intermediar as negociações da CCT, mas que ambas as instituições defendiam pontos que consideravam inegociáveis e isso vinha impedindo um acordo. “Quando falamos de ‘acordo’, significa que ambas as partes devem ceder de alguma forma para que se atinja o objetivo esperado. Nós do Ministério Público do Trabalho estamos sempre dispostos a colaborar com uma negociação entre os sindicatos”, afirmou.


Banco de Horas

Dr. André Melatti comentou a pesquisa realizada pela Aciu sobre o horário de funcionamento do comércio em Umuarama, abordando principalmente a questão da abertura em dois sábados por mês. O procurador federal esclareceu que as empresas podem abrir até quatro sábados por mês, desde que cumpram à risca a legislação trabalhista, que assegura, dentre outras coisas, o respeito ao limite de 44 horas semanais (mais duas extras por dia).

Uma alternativa para que as empresas possam abrir dois sábados por mês, das 9h às 17h, é o estabelecimento de um Banco de Horas, que é a compensação do trabalho por folga. “O excesso de horas em um dia é compensado pela correspondente diminuição em outro dia, ou seja, se o empresário quer que o empregado trabalhe no sábado três horas a mais, basta reduzir essas três horas na semana anterior”, disse.

Porém Dr. Melatti fez questão de esclarecer que o Banco de Horas possui várias modalidades e que pode depender de acordo com o sindicato dos empregados. “Existem quatro modalidades de Banco de Horas: de compensação anual, semestral, mensal e semanal. O ‘Anual’ deve ser elaborado por meio de negociação coletiva e limita a 10 horas diárias de trabalho. O ‘Semestral’ pode ser elaborado por meio de acordo individual escrito. O ‘Mensal’ deve ser elaborado por meio de acordo individual escrito ou tácito. Finalmente o ‘Semanal’ não se exige acordo prévio individual ou coletivo, limitando a duas horas extras diárias”, resumiu. Os slides com o resumo das modalidades do Banco de Horas pode ser acessado aqui.


Novo encontro

Por sugestão dos empresários presentes e do próprio Dr. Melatti, a Aciu deve promover um encontro entre os presidentes do sindicatos dos Empregados no Comércio (Sindecomu) e Patronal (Sindlojistas). O presidente da Aciu, Orlando Luiz Santos, reafirmou que é com muita satisfação que a instituição tenta contribuir para que haja um ordenamento na definição da CCT. “O empregado no comércio fica desprotegido e o empresário inseguro, então faremos o que estiver a nosso alcance para que as partes se entendam da melhor maneira possível”, registrou.




{